quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019

DOS OUTROS | FRANÇA | A política de Estado a favor do património


Leia aqui

Também está disponível em inglês.De lá:

« (...)
Take a census of local heritage in danger and find innovative financing to restore it: such is the mission which the president of the Republic confided(entrusted) in September, 2017 to the organizer(presenter) Stephane Bern. Read procedure here.
On May 31st, 2018, the first campaign(countryside) of restoration(catering) was presented, during a reception to the Élysée Palace. 251 priority projects were revealed, and 18 emblematic projects, divided on all national territory, in mainland France as in overseas, were indicated(appointed) standard-bearer. They will all make the object of a support thanks to participative voluntary financing. Find the presentation(display) of sites held(retained) in the press pack.
The financing of these projects will give rise to the institution of games(sets) «Mission Heritage» carried by the Française des Jeux. The edition(drawing) of a Great bingo for heritage will take place on Friday, September 14th, 2018, European day before(watch) of the Days of heritage, and a scratchcard game will be put for sale from September 3rd, 2018. (...)».

terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

TEATRO DE PORTALEGRE ESTÁ À VENDA NA OLX | «é um dos poucos exemplares que ainda restam dessa geração de teatros que foram construídos no interior do país»


 
Leia aqui



Uma pergunta singela: numa ótica institucional, à luz de que politica pública se olha para a notícia a que se refere a imagem? Será que na DGARTES há,  como no passado, serviços que têm como competências olhar para estas realidades?  E até fará sentido lembrar este post a que nos referimos há pouco tempo e, em especial, o Despacho Normativon .º 46/96 - «Aprova o Programa Adaptação e Instalação de Recintos Culturais - Ministério da Cultura, 9 de Outubro de 1996. - O Secretário de Estado da Cultura, Rui Vieira Nery». O Preâmbulo:

«Refere-se no preâmbulo da Lei Orgânica do Ministério da Cultura (Decreto-Lei n.º 42/96, de 7 de Maio) que «as funções do Estado nesta área são, sobretudo, duas: por um lado, a de melhorar as condições de acesso à cultura e, por outro, defender e salvaguardar o património cultural, incentivando novas modalidades da sua fruição e conhecimento».
É nesta perspectiva de descentralização - que tem como um dos referenciais a obrigação de o Estado «valorizar a diversidade das iniciativas culturais que surjam e se desenvolvam na sociedade civil e de estimular formas de cooperação não só com as entidades autárquicas e regionais mas também com os agentes privados e os cidadãos em geral» (cf., ainda, o preâmbulo do referido diploma) - que surge o presente despacho normativo regulamentador do Programa Adaptação e Instalação de Recintos Culturais, que estabelece as regras de seriação das candidaturas ao mesmo, tendo em vista a eventual comparticipação do Estado, através do Ministério da Cultura, na aquisição, adaptação ou construção de tais recintos».


«Symposium Emerging Art Markets: recent developments and constraints»





«The symposium is free, but registration is required. To register, please send an email to a19193@iscte-iul.pt. The symposium will be followed by a workshop accessible only to students of the M.A. in Art Markets (https://www.iscte-iul.pt/curso/117/mestrado-mercados-arte)»


quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

«Criar e Produzir: Modalidades de Cooperação Criativa nas Artes Cénicas»





«Quais são as diferentes práticas e formas de entender em que consiste a produção? Que lugar é que esta ocupa na atividade artística? Quais são os seus contornos no contexto do teatro contemporâneo? Foram estas algumas da questões que motivaram a organização da jornada Criar e Produzir: Modalidades de Cooperação Criativa nas Artes Cénicas, que teve lugar a 27 de março de 2017, Dia Mundial do Teatro, no Cinema-Teatro Joaquim d’Almeida, Montijo. Durante uma tarde, produtores, artistas-produtores que dirigem grupos e artistas que, embora não façam produção, participam nos processos que viabilizam os seus espetáculos, disponibilizaram-se a pensar a relação entre criação e produção a partir das suas diferentes experiências».

______________ 

Uma passagem:
«(...)
Luis Miguel Cintra: Acho muito perigoso a gente interiorizar as regras de apoio e passar a reger-se para as satisfazer. E acho que quase toda a gente cai nesse erro. 
Isabel Craveiro: Eu acho que sim também, toda a gente escreve aquilo que a DGArtes quer ler.  (...)».




«REDE PORTUGUESA DE JAZZ»



Leia aqui

terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

«Em vez de estimular e ajudar, o Ministério da Cultura controla, ‘burrocratiza’, complica e estrangula»



Semanário Expresso |Revista | 9FEV 2019

EXCERTOS:


«A minha paixão pela ópera é por via do teatro. Creio que podia viver sem ópera; não saberia pensar sem ver teatro. Ao longo dos anos assisti a milhares de concertos e espetáculos de teatro e ópera, mas só uma vez saí no intervalo, exausto com tanta beleza sublime. (Voltaria uma semana depois, para então ver tudo do princípio ao fim.) Foi num espetáculo do National Theatre de Londres, ainda no vetusto Old Vic. Nos idos de 1967, as aspirações e ilusões da vida tratadas por Tchekov e postas no palco por Laurence Olivier (que encenava) com a simplicidade luminosa dos cenários de Josef Svoboda: “As Três Irmãs”, com a Masha inesquecível de Joan Plowright e o gauche Andrey de Anthony Hopkins, sem esquecer o Tusenbach de Derek Jacobi. (...)
 Encontrei há semanas o maior dos Antonies, Ralph Fiennes! Sim, no Royal National Theatre de Londres, numa espetacular produção de Simon Godwin, com Sophie Okonedo a fazer a Cleopatra. Palco rotatório, com os cenários (Hildegard Bechtler) a diferenciar bem o Egito de Roma: opulência geométrica entrecortada por canais aquáticos, para um lado, gabinete de guerra com as últimas novidades da tecnologia por satélite, por outro. Sensacional a cena da batalha naval de Actium! Fiennes é um daqueles monstros sagrados do cinema (de “A Lista de Schindler” a “Grand Budapest Hotel”) que recarga as baterias no teatro. Antony é um papel ainda mais difícil do que o da carismática Cleopatra — um eloquente e bem-humorado homem de ação, com tentações hedonistas, destinado a falhar. (Okonedo deu-lhe excelente réplica.) Por cá, há muito que o teatro português perdeu o pé. Por falta de meios e de talento não pôde acompanhar a revolução técnica operada já neste século XXI por encenadores como Ivo van Hove. Em vez de estimular e ajudar, o Ministério da Cultura controla, ‘burrocratiza’, complica e estrangula. A ópera é o que sabe ou não sabe. Quando começam as obras? Os gestores vão continuar? No Museu de Arte Antiga, levantado do chão pela equipa do quase ex-diretor, é a debandada. O último disparate é a transferência do Museu Nacional da Música para Mafra. Estudaram o caso, perguntaram aos interessados, estimaram as consequências? Não. É sim, porque sim. Já deu para perceber que esta é o pior ministro da Cultura de sempre (e havia vasta competição para o troféu). Como dizia a minha avó, há gente que quando abre a boca, ou entra mosca ou sai asneira. Pensar é difícil, mas ajuda ver teatro».
 .
.      . 
Como prolongamento do artigo, sugestão do Elitário Para Todos:uma incursão ao site do National Theatre. E apetece gritar, «Também queremos!».   


sábado, 9 de fevereiro de 2019

DGARTES | O senhor que se segue ...

Leia aqui
E cá temos a DGARTES a ser novamente notícia: mais um protagonista na saga entrada- saida de Diretores/as - Gerais. Neste momento é entrada. A de Américo Rodrigues. Em regime de substituição, particularidade que já não levanta qualquer constrangimento. Entrou na rotina, aborda-se como se fosse para a eternidade e não modalidade transitória com os dias que deviam ser «contados». Bem sabemos que os mecanismos procedimentais podem levar a que o processo se arraste. Se arraste ...E deixem-nos adivinhar, o atual protagonista vai a concurso a abrir brevemente, ( a Senhora Ministra prometeu), e vai ficar entre os três escolhidos. Quem quer apostar? - (bom, mas se a história se repetir vai haver mais um qualquer incidente pelo caminho e tudo pode acontecer, como habitualmente, ou seja daqui a uns dias ou meses mais uma qualquer confusão  ... ). Lembremos, os problemas da DGARTES não tem apenas a ver com os Dirigentes, a Direção-Geral tem de ser refundada!  Mas não sejamos agoirentos, continuemos, quando for à entrevista na CRESAP - se chegar lá - já estará mais familiarizado com a Administração Pública (Central). Para lá dos «dossiês» o que é que isso seja ... E também estamos em crer que nos quesitos dos concursos vai haver qualquer coisita que, por mero acaso, se lhe vai adequar em especial. Se chegar lá! Porque entretanto também pode acontecer que pelo caminho mais um que venha a não se sentir «talhado» para o lugar. De facto, olhando para o seu curriculo e para o que está fixado na lei questionamo-nos se vai haver tempo para adquirir as competências previstas na lei. Veja aqui.
Mas o futuro candidato não se apoquente porque isso não parece ser valorizado no concurso, até porque a lei apenas exige que só depois de ser Diretor se terá, isso sim,  de frequentar cursos (no INA)  para adquirir os conhecimentos que estão definidos para os Dirigentes. De qualquer forma, não aplicar o SIADAP (um pesadelo na DGARTES) tem consequências graves, antes ou depois da formação  - mais tarde não digam que não avisámos ... Em algum momento o problema tem de ser encarado de frente. Senhor futuro Diretor-Geral ponha a matéria na sua agenda a pedido de vários interessados que nos chegou.  E para no futuro não lhe pegarem por isso e poder dizer: fiz o que pude, mas encontrei o caos ... Dizem-nos que já houve quem tenha saido por causa do SIADAP ( para quem não se recorde tem a ver com a avaliação de desempenho - dos dirigentes, dos serviços, dos demaIs trabalhadores...).
Mas após saber-se o nome do indigitado (Ah, o que poderá acontecer até ao dia 13 ...) outro pedido que veio de muitos lados: quem era a pessoa? Verdade, no setor há quem não conheça Américo Rodrigues. Dizem-nos que nem a Diretora que vai sair! Mas aí nós, fizemos um brilharete, remetemos para posts deste Blogue:


Entretanto, já há declarações  e estamos um bocado aperreados. Bastava aquela de «simplificar processos». É  que nos cheira a meter umas buchas no que existe, quando como se tem defendido neste blogue, expressando leituras de muitos, o que é preciso é criar coisa verdadeiramente nova! E depois temos isto (leia no Público):

«Leva para o cargo o conhecimento empírico do meio e a experiência num "terreno difícil", o interior do país.
 (..) Consciente do momento delicado que atravessa a DGArtes, e ressalvando que só após a tomada de posse, na próxima quarta-feira, é que se inteirará verdadeiramente, "dos dossiers" que terá em mãos e do "modo de funcionamento" do organismo, Américo Rodrigues diz ao PÚBLICO que o seu grande desafio passa por "uma coisa óbvia": "A DGArtes tem de cumprir a sua função e vou tentar que o faça." Envolver todos os agentes é, para o novo director-geral, uma condição prévia: "Para mim, nunca fez sentido que de um lado estivesse a DGArte"Cumprir a sua função" significa, para Américo Rodrigues, pôr em marcha "uma simplificação de processos" para assegurar "que os prazos são cumpridos, que as decisões são tomadas na altura certa, que os concursos são abertos na altura definida". Ou seja, garantir "que tudo correrá num ambiente de normalidade" que permita à comunidade artística "sentir outro tipo de segurança". Mas também, assinala, conseguir passar a ideia "de que a DGArtes não é apenas uma entidade que distribui subsídios": "É uma entidade que tem por missão apoiar a criação e a programação, e isso é um serviço público de primeira grandeza que não passa apenas pelo apoio [financeiro]. Esse é um dos desafios. Melhorar a ideia que a comunidade, nomeadamente a artística, tem da DGArtes". s e do outro a comunidade artística", afirma. (...)».
Não percebemos muito bem o que se acaba de transcrever, mas uma coisa será certa: o futuro Diretor-Geral está de acordo com o NOVO MODELO DE FINANCIMENTO ÀS ARTES (aquele que por aqui  dizemos que já NASCEU VELHO), parece que apenas aponta falhas ao seu funcionamento ...
De qualquer maneira para o próximo Diretor-Geral, BOA SORTE na mudança da Guarda para Lisboa, territórrio tão País real como o de onde vem. Acredite!